Maps

Notícias

Exames toxicológicos em cabelo

09/04/2018 Chromatox
Sócios da ChromaTox, John Wicks e Lizzie Wicks, e outros renomados pesquisadores da área participaram da celebração do 20º Aniversário da Society of Hair Testing (SoHT) em Estrasburgo, França em 27 de Novembro de 2015.

Várias apresentações úteis e interessantes foram feitas, tanto sob o ponto de vista de uma retrospectiva da evolução da análise de cabelo ao longo dos últimos 20 anos, como também mostrando os desafios que virão para aprimorar ainda mais a ciência dos exames toxicológicos em cabelo nos próximos anos.

Dentre os mais importantes temas abordados referentes à análise em cabelo ocorridos nos últimos 20 anos temos: O surgimento do cabelo como uma matriz de análise.

Encontre um posto de coleta Chromatox para realizar seu exame toxicológico

.

Há duas décadas o cabelo era considerado uma “matriz alternativa", mas hoje é amplamente aceita e frequentemente utilizada. A apresentação de abertura foi feita por um dos fundadores e ex-presidente da SoHT, Dr. Christian Staub, que nos lembrou que, em 1995, o cabelo era uma matriz nova, muitas vezes classificada em conferências e reuniões científicas na seção de "matrizes alternativas", e exigia de 50 a 100 mg de cabelo para a análise.

Nos anos 1990, o uso da derivação para a análise em GC-MS era um dos maiores problemas analíticos para essa matriz, o que foi superado, hoje em dia, pelo uso mais simples do LC-MS/MS.

Em 2015, utilizamos não mais que 20 mg de cabelo para uma extração relativamente simples, voltada à análise de drogas, ou de biomarcadores para a avaliação do consumo de álcool e até para avaliar a exposição a substâncias químicas e diversas doenças.

Na verdade, os biomarcadores de cabelo não estão restritos ao uso de álcool, a detecção de acetilcodeina indica o uso de heroína ilícita, enquanto que o cortisol avalia estresse e depressão. O cabelo também é usado na detecção de dioxina, poluentes orgânicos e outros agentes químicos.

Dr. Pascal Kintz, também fundador e ex-presidente do SoHT, enriqueceu esta sessão retrospectiva e histórica acrescentando sua experiência e avaliação atual da ciência da análise do cabelo. Ele nos lembrou que, em 1995, a urina era a matriz mais comum e poucas amostras de cabelo eram analisadas. Uma das vantagens do cabelo é que ele não deteriora e ainda fornece evidências de uso recente e histórico de uso de drogas.

A coleta e o armazenamento de amostras de cabelo são muito mais simples do que de urina, ou qualquer outra matriz. O potencial da análise do cabelo no controle de dopagem é uma futura aplicação que irá permitir a diferenciação entre o uso único e uso crônico, além de poder revelar o uso de substâncias proibidas durante o treinamento. Outra aplicação importante é em eventos de compra e venda de animais, revelando o uso pregresso de substâncias proibidas.

Análise de cabelo, como todas as outras matrizes, também tem limitações

Toxicologistas precisam entender as limitações da análise do cabelo e que, algumas vezes, o resultado poderá colaborar, mas não elucidar a situação em estudo. Por exemplo, por vezes não é possível determinar a dose mínima detectável, isto é, qual é a menor dose de uma droga que se pode detectar no laboratório.

A cor do cabelo, a raça e o uso de cosméticos também podem afetar o resultado e apenas a análise segmentada do cabelo de um mesmo indivíduo poderá avaliar se houve um aumento ou diminuição no uso.

A possibilidade de contaminação por inalação ou o uso passivo também são pontos a serem considerados na interpretação dos resultados de cabelo. Diferentes laboratórios podem ter diferentes abordagens e, por vezes, os resultados de amostras à partir do mesmo indivíduo são diferentes. Isso significa que, embora as vantagens da análise de drogas no cabelo sejam enormes devido à longa janela de detecção, é preciso fazer uma interpretação técnica e honesta destes resultados, que só é possível quando estamos conscientes das limitações e compreendemos até que ponto podemos ajudar no diagnóstico.

Saiba como fazer exame toxicológico

Outros fatores que podem afetar os resultados da análise de cabelo

Dr. Robert Konstrand acrescentou dicas de sua experiência em análise de cabelo alertando sobre os riscos de interpretação exagerada dos resultados.

Exemplos clássicos são as diferenças no metabolismo, meias-vidas e propriedades físicas de drogas, transporte através das membranas celulares, pigmentação do cabelo (melanina), segmentação da amostra e outros procedimentos laboratoriais. Por exemplo, relatar datas imprecisas devido à variação na taxa de crescimento do cabelo entre indivíduos, acrescido da variação decorrente da distância de colocação da tesoura em relação ao couro cabeludo no momento da coleta, ou mesmo se os fios estavam alinhados na hora do corte ou se foram realinhados no laboratório.

Precisamos de cientistas que entendam essas limitações e que possam dar uma interpretação precisa dos resultados e que sejam compreensíveis para o cliente.

Aplicações de análise do cabelo

Dr. Fritz Pragst, também conhecido como o "inventor do marcador de álcool no cabelo", apresentou os fatos importantes desde o início das pesquisas e dos primeiros cientistas que detectaram EtG e FAEE em amostras de cabelo. EtG e FAEE foram inicialmente utilizados como marcadores de consumo crônico e elevado de álcool, mas agora são comumente utilizados para indicar a abstenção de uso.

Um ponto importante relatado por ele, foi sobre os benefícios da cooperação entre os diferentes grupos na Europa, que foi o catalisador para o progresso na área. Curiosamente, resultados de falsos positivos para ETG no cabelo são uma ocorrência rara, o que significa que apenas quando o álcool é consumido, o EtG é detectável no cabelo.

A palestra apresentada pela Dra. Donata Favretto confirmou a ampla variedade de aplicações de análise do cabelo nas áreas forense e clínica, de tratamento e prevenção do uso de drogas no ambiente de trabalho e no ambiente familiar. O uso de cabelo para detectar outras substâncias diferentes de drogas e álcool está aumentando, como por exemplo, a detecção de cortisol, elementos, retrovírus e a detecção de poluentes orgânicos, em especial na área de saúde ocupacional.

Desafios para o Futuro

Dr. Volker Auwärter abordou de forma interessante os desafios e o futuro da análise do cabelo em sua apresentação sobre o NPS (novas substâncias psicoativas) e o Dr. Thomas Kraemer sobre a técnica revolucionaria MALDI.

Todos nós, envolvidos na análise do cabelo, deparamo-nos constantemente com o aparecimento de novas drogas, como os NPSs. Estamos também muito próximos da excitante perspectiva de um futuro, quando seremos capazes de analisar um único fio de cabelo e eliminar os problemas de taxa de crescimento do cabelo e alinhamento dos fios. Isto significa que, potencialmente, nós seríamos capazes de analisar um único fio de cabelo e saber, com mais confiança, quando as drogas foram usadas!

A harmonização de tecnologias entre os laboratórios, a participação em programas de ensaios de proficiência e os rígidos padrões de acreditação têm melhorado significativamente os resultados globais da análise nos últimos anos. O desafio agora é a harmonização da interpretação dos resultados entre todos os laboratórios e especialistas, o que não acontece no momento, devido ao excesso de interpretação ou falta de compreensão dessa ciência - análise do cabelo - por alguns cientistas menos experientes.

Novas tecnologias e técnicas mais sensíveis devem contribuir para solucionar algumas das dificuldades em compreender os resultados, mas a discussão, a educação e as diretrizes serão fundamentais para uma interpretação correta e honesta dos resultados.

Saiba o que é preciso para fazer o exame o exame toxicológico exigido pelo Denatran.