Maps

Motorista Legal

É possível falsificar o Exame Toxicológico?

26/07/2018 Chromatox

O exame toxicológico de larga janela de detecção é um dos métodos mais seguros para identificar o consumo de drogas. Com a análise de cabelo ou pelo (queratina), é possível saber se o indivíduo fez uso de determinadas substâncias no período mínimo de três meses anteriores à coleta do material até anos, dependendo do tamanho do fio.

Não à toa, o exame toxicológico em cabelo foi escolhido pela Lei 13.103 – também conhecida como Lei do Caminhoneiro – para ajudar a reduzir acidentes em estradas e rodovias, devido ao consumo de drogas entre os motoristas profissionais.

Na internet é possível encontrar alguns métodos que prometem adulterar o resultado do exame toxicológico. Mas nenhuma destas técnicas é realmente eficaz para falsificar o teste de drogas.

Alguns sites orientam o motorista a cortar o cabelo, que é onde fica a queratina e, consequentemente, a prova do uso de drogas, e dessa forma aumente suas chances de que o exame não detecte o consumo de drogas. Porém, quando o laboratório identifica que a amostra de cabelo não é suficiente para a análise, é feita a coleta de pelos de outra parte do corpo ou de raspas de unha, que também contém a queratina.

Outra orientação falsa para burlar o exame toxicológico é utilizar shampoos de limpeza profunda, para eliminar a presença de tóxicos nos fios. Entretanto, nenhum produto cosmético, como shampoo, gel, condicionador, pomada e spray tem capacidade de adulterar as substâncias fixadas no córtex capilar. Sendo assim, não interferem em nada na análise.

Por que não tentar falsificar um exame toxicológico?
Como explicamos acima, não há nenhum método capaz de alterar a análise do exame toxicológico. Além disso, caso seja comprovado que um indivíduo tentou adulterar o teste de drogas exigido pelo Denatran para motoristas profissionais, ele pode ser multado ou preso, pois tal tentativa é crime.

Já para exames toxicológicos exigidos em processo de seleção de concursos públicos, tentar adulterar a análise tem caráter eliminatório e pode desclassificar o candidato, ainda que ele tenha boa pontuação em outras avaliações.

Não usar drogas é a melhor opção para ter o resultado negativo do exame toxicológico e, ainda, ficar longe da dependência química que causa tantos problemas para a saúde do indivíduo.